terça-feira, abril 20, 2010

CANTO DAS NOITES ÁRABES

Um dia apenas,
uma hora somente,
um breve instante,
Teu sorriso te ilumina inteira.
E tal imagem me encanta,
e eu me perco em tua beleza.
Eis que ela flui de tua alegria.
Não conheço outra,
nunca vi mais bela:
Mulher, nascida do sol,
com o mar inteiro nos olhos,
campos de girassóis pelos seios,
cheios, viçosos, doces como mel.
Mas conheci algo tão novo,
tão inesperado quanto belo:
dentro de teu templo habita uma menina!
Terna, frágil, criança pequena,
a quem devo proteger e cuidar.
Benditos sejam os Céus,
que me incumbiram de tão nobre tarefa!
Sou teu cavaleiro de mil e uma noites,
cuja cimitarra em riste afasta o mal,
cujo escudo amplo te protege da dor,
cujo cavalo alado te leva aos céus!
Vem, dá-me tua mão,
sobe e voa comigo!
Levar-te-ei onde teu coração pedir,
mostrar-te-ei as terras mais belas,
os campos mais dourados,
as águas mais límpidas.
As artes de Quixote, Roldão e Amadis
nunca se compararão às minhas
em teu cuidado, o bela amada!
Dançarás em minhas noites,
e conhecerás todas as minhas marcas de guerra.
Sorri, e o mundo se iluminará inteiro,
e meu coração estará em paz,
pronto para arrastar montes,
para derrotar exércitos,
para revolver terras crestadas,
para renovar o solo seco e pisado.
Deixa-me ver tua luz, o bela amada,
minha clara de luz,
minha moça-menina,
senhora deste teu
cavaleiro das mil e uma noites...

Nenhum comentário: