terça-feira, agosto 25, 2009

Clamor

Mostra-me teu amor,
com todas as suas cores,
com todas as bandeiras.
Quero ver teus olhos lindos,
sorrindo como criança;
quero ver teu sorriso alegre,
como constelação em noite sem lua.
Vem, luze diante de mim com fulgor,
que estou aflito por tua luz!
O frio consome meus órgãos,
gela minha alma,
fende meus braços e pernas,
e teu corpo não chega!
Clamo por teu calor,
que tanto me aquece
fazendo noites com sol,
Clamo por teu colo,
que tanto me consola
nos meus dias tenebrosos.
Chego ao limite das terras possíveis.
Parecem-me fugir céus e chão,
ficando apenas o branco absoluto
e absurdo, cego e manco.
Cada passo encontra um tremor,
cada passo faz um tremor,
uma ravina sobre o solo.
Brotarão águas de minhas pegadas?
Romperei rochas com meus beijos?
Ai, que dor em minha alma!!!