segunda-feira, julho 13, 2009

Vem...

Vem, que te clamo: vem, traz tua alma para mim!
Não me deixes só no frio da noite,
esperando ansioso o calor de teu corpo!
Vem para o teu lugar,
teu leito de estrelas fulgurantes,
que criei somente para ti!
Livra-te, ó amada minha,
das sarças que te tolhem os passos!
Não tarda, ó bela noiva,
pois teu amado clama em dor!
Apressa-te, ó doce musa,
que teu poeta afoga-se em lágrimas,
apesar do consolo de teus amores,
da lembrança de teus beijos,
do esplendor de teu sorriso,
do sabor de teu corpo nu e suplicante.
Vem, encontra-me
no mais alto dos montes da Terra,
que galguei para vigiar teus caminhos,
e para ali construir nossa morada!
Vem, que tenho sede de ti,
de beber teu sangue, teu suor,
de sorver o néctar de teu gozo,
ávido de saciar-me em tua boca e lábios!
Vem, minha noiva,
que teu amado te conclama:
levanta-te,
mostra-me ao mundo,
que sou teu,
somente teu,
para todos os tempos...

Nenhum comentário: