domingo, maio 17, 2009

A Sereia das Esmeraldas

Cf. Tagore

Guarda-me logo abaixo do teu coração,
para que eu fique perto de ti.
Não me ames, mas apenas quase.
Tu não me pertences,
assim como eu não sou teu.
Tu és Ariana, musa de meus cantos,
eu sou Dionísio, aquele que te encanta.
Nosso momento é de riso e lágrima;
nem somente um, nem somente outro,
mas ambos, de alegria e de tristeza.
Mas não serei perpétua dor para ti,
assim como não serás para mim;
serei para ti a reafirmação de teus votos,
a encarnação de tua lealdade,
e tu serás a lembrança de uma primavera aprisionada,
do frondoso cedro que não crescerá sob minha sobra.
Aí reside a tua beleza em mim,
assim como tua beleza em mim.
Que eu te seja sempre benévolo,
que te faça bem a minha perpétua lembrança.
Não chores por nosso destino sem sol;
ou tuas lágrimas ofuscarão o brilho de nossas estrelas.
Serei teu eterno poeta navegante,
inquieta nau que levará consigo
a eterna saudade de um amor póstumo.
Serás eternamente a musa dos olhos de mar de esmeraldas,
sereia dos mares que me acompanhará por onde velejarei.

Nenhum comentário: