sexta-feira, março 21, 2008

O Livro

Era uma vez um livro que ainda não existia.

Ninguém podia ler nele

ou aprender dele,

mas seu Autor sabia de seu valor.

O Autor então passou a soprar palavras nos ouvidos dos homens.

Os homens, esquecidos, passaram a escrevê-las em couro,

e as contar aos seus filhos antes de dormir.

Seus filhos faziam o mesmo,

e quando o Autor queria,

soprava-lhes mais palavras e os filhos, netos, e bisnetos daqueles homens escreviam suas palavras em papiro para não esquecer.

Escreveram também histórias verdadeiras, mas sempre com o compromisso para com o Autor, de sempre falar a verdade.

O Autor contava a história dos homens e dos deuses,

do bem e do mal,

do passado e do futuro.

Os homens aprendiam e esqueciam, mas o livro continuava escrito, para que os outros pudessem aprender,

e pudessem escolher lembrar ou não.

O livro engordou.

Virou verdade.

Depois, virou verdade perdida,

esquecida.

Quando o Autor quis,

os homens se lembraram dele.

Aprenderam dele,

e se lembraram do que fora esquecido.

Hoje o livro está em todo o mundo,

e nunca se fez tantos dele quanto agora.

Luz em meio às trevas,

guia de seres humanos,

mas nunca de cegos.

Livro sagrado,

presente dos Céus,

dádiva divina.

Que seu Autor veja quem dele se lembra...

Nenhum comentário: