sexta-feira, fevereiro 17, 2006

O Toco

Um toco.
Apenas um toco de árvore,
onde velhos se assentaram e morreram.
Se eu ficar aqui,
ter-me-ei tornado velho,
um que se esqueceu de viver.
Um pódio é apenas um toco.
Apenas um dentre tantos!
Já estive sobre outros,
mas com outros olhos
e outros pés.
Eram altura e altivez,
mas vergonha.
Quem anda em alturas deve vigiar seus próprios pés.
A queda é sempre grande.
Alturas são ilusórias:
profundidades parecem maiores,
alturas parecem menores.
Por isso o homem é esmagado.
Suas ilusões o esmagam.
Ilusões têm peso.
Pior quando são tomadas como real:
engano, falsidade, mentira.
Se a realidade é uma mentira,
não é verdade.
Realidade fabricada e frágil,
ruirá em estrondo.
Os grandes rejeitam tocos.
Não vivem em pódios.
Louros são só folhas de cheiro;
secam-se com o calor do Sol.
Um toco é só um toco.
Um pódio também...

Nenhum comentário: