domingo, maio 15, 2005

O Império

A vida não tem lugar no reino da morte.
Esse é o império do mal,
a maior criação do Mal.
A vida não tem lugar
quando o neném não tem colo,
quando a criança não tem pão,
quando o abraço não tem calor.
Cortaram as mãos do pai,
braços, pernas, também,
furaram seus olhos,
cortaram sua língua,
e lhe ordenaram que trabalhasse.
"Faze o teu pão e o dos teus.
Deixa de ser imprestável!"
O pai pôde apenas chorar,
mesmo sem olhos.
A história se repete:
o poder exclui.
Ri do que é fraco,
mesmo que crie o fraco.
Quem mais tem, mais terá,
quem mais pode, mais poderá.
Este é o império da injustiça.
Deixa-me, e lhe mostrarei a paz.
Deixa-me, e lhe mostrarei a justiça.
A Terra há de se tornar o Império da paz.
Não vos conformai ao mal.
Desaprendei, desaprendei.
Daqui nada se aproveita...

Nenhum comentário: