domingo, janeiro 30, 2005

Ser, só ser

Sou.

Penso e sou.

Ou existo?

Existir é o mesmo que ser?

Não.

Apenas sou.

Existo apenas porque quero.

Para quantos nem existo!

Como?

Nenhum deles me sabe,

nenhum deles me vê!

Existo para quem me sabe,

existo para quem me vê.

Mas quem me vê?

Tão poucos, tão poucos.

Mas a todos amo.

Só me vêem aqueles a quem amo.

Só me vêem aqueles se quero.

Mas nem sempre posso.

Nem sempre consigo me fazer ser

diante daqueles que amo.

(Grande desafio!)

Existo no tempo.

Já trilhei alguns dias,

alguns anos.

Mas o tempo não existe para homens.

Ele apenas é,

posto que ninguém pode conhecê-lo,

mas apenas os anjos e os deuses.

Perante eles existem os homens.

Tempo, ser, e existência.

Falta ainda a imanência,

perene imanência de todos os seres.

Radical e atômica,

cobra sempre seu tributo,

querendo ou não os homens,

divinos e duvidosos filhos.

Existo e sou.

Diante da suprema luz,

sou.

Nenhum comentário: