domingo, janeiro 30, 2005

Águas

Águas podem ser calmas ou não.

Melhor do que isso, podem ser fáceis.

E são fáceis.

Encontram sempre o melhor caminho,

Transpõem qualquer obstáculo,

Ocupam todos os espaços.

Você é para mim água, calma e bela.

Vejo seu leito, suas profundidades.

Sorvo sua essência, seu refrigério.

O amor se torna fluido, transcendente.

Ele é maior do que eu mesmo.

Navego em seu leito como quem inaugura uma rota.

Mais do que navegar sobre ti,

Deixo-me levar por ti.

Dissolve-se a terra, pedras e céu.

Permanecemos você e eu,

Agua e mar.

Nenhum comentário: