sábado, janeiro 29, 2005

Escravidão

O instinto me conduz a mim mesmo.

Amo cruel e impiedoso,

Não considera nem consciência nem lei.

Escravo sou, queira ou não queira.

Confesso que a guerra me esgota.

De que adianta a revolta de um escravo?

Melhor a morte à vil existência.

Fútil perda de tempo.

Fútil testemunho de fraqueza.

Fútil revolta.

Nenhum comentário: