domingo, janeiro 30, 2005

Despertar II

Revelou-se-me algo novo: a sensação de um sonho real.

Mas não consegui sorrir.

O sonho não é pleno, ainda.

Mas é só meu.

Queria que fosse de todos, um belo sonho...

Sonho?

Não. Realidade aguardada, ainda não vista.

Certa.

Tanto quanto o dia que nascerá amanhã.

Minha alma está saturada de leveza.

Meus pensamentos são-me agora preciosos.

Não bastam a si mesmos, e sua completude se faz em sua busca pela inteireza nunca alcançável.

Mas são paz.

Vou fazer nascer a paz para fora de mim.

Tocarei vales profundos e morros elevados,

Acalmarei tempestades.

Aprenderei a voar e não me escravizarão idéias falaciosas.

Correrei e não haverá limites ao meu amor.

Libertar-me-á a verdade maior, tesouro disperso e imarcescível...

A luz vencerá as trevas de meu coração.

Nenhum comentário: